Carregando...
MT  Ação PUBLICIDADE
[ANUNCIE] Interna Lateral Grande 1 PUBLICIDADE
Facebook
[ANUNCIE] Interna Lateral Grande 2 PUBLICIDADE
Newsletter

FIQUE POR DENTRO!

Cadastre-se para receber boletins com as novidades do nosso site em seu email gratuitamente.

É só informar seu email no campo abaixo e clicar em “Assinar”.

[ANUNCIE] Interna Lateral Pequena PUBLICIDADE
AS ÚLTIMAS DE Opinião
A Câmara dos Deputados aprovou, na noite do dia 26 de abril, por 297 votos a 177, o texto principal do projeto enviado pelo governo Temer que flexibilizou a legi ...
Opinião 02 de maio 2017 08h:04
REFORMA TRABALHISTA – Jesus votaria como votou a "Bancada Evangélica?"

A Câmara dos Deputados aprovou, na noite do dia 26 de abril, por 297 votos a 177, o texto principal do projeto enviado pelo governo Temer que flexibilizou a legislação trabalhista no Brasil. O texto ainda está sujeito à mudanças, devido aos 17 destaques votados aparte pelos deputados, que dependem de aprovação do Congresso e sanção do próprio presidente Temer.

Segundo a FRENTAS - Frente Associação da Magistratura e do Ministério Público; que representa mais de 40 mil magistrados, entre juízes, promotores e procuradores, foram “criadas/ampliadas novas formas de contratos de trabalho precários, que diminuem, em muito, direitos e remuneração, permitindo, inclusive, pagamento abaixo do salário mínimo mensal, o que concorreria para o aumento dos já elevados níveis de desemprego e de rotatividade no mercado de trabalho”. Ainda segundo FRENTAS, “trata-se de um ataque que passa pela supressão de direitos materiais e processuais hoje constantes de lei (CLT) e até mesmo no que deixa de ser aplicado do Código Civil na análise da responsabilidade acidentária, optando-se pela tarifação do valor da vida humana, em vários pontos passando também pela evidente agressão à jurisprudência consolidada dos tribunais regionais e do Tribunal Superior do Trabalho”, afirmam as associações do judiciário.

O trabalho sempre teve importância fundamental na existência do homem, sob múltiplos aspectos e por várias razões. Seja como meio de subsistência e, como tal, condicionante do ser humano, seja como fator de sua realização pessoal e de sua dignidade, por isto desde tempos imemoriais constitui causa de preocupação dos responsáveis pelo destino do homem e, dessa maneira, sua referencia é encontrada  desde o Código de Hamurabi, da Mesopotâmia, bem como na Bíblia.

Procuramos como você leitor, entender a postura da “Bancada da Fé”, ou “Bancada da Bíblia” no parlamento federal, numa votação onde 70% dos deputados evangélicos da Câmara dos Deputados – deste país onde o estado se diz laico– votou a favor da reforma trabalhista, Foram 231 votos que garantiram a reforma trabalhista, dos quais, 79 evangélicos, ou seja, a bancada da Bíblia sozinha foi responsável por quase 40% do total necessário pra se obter essa aprovação. Vale lembrar que estes deputados declaradamente “evangélicos” são ativistas nas denominações das quais são membros.

A maioria destes deputados evangélicos são professores de Filosofia ou advogados (doutores pela lei) dai peço vênia para reportamos às memorias de Platão, Aristóteles e Moisés, as quais em mister de seu ofício máster devem conhecer:

“Na Grécia, Platão e Aristóteles entendiam que o trabalho tinha sentido pejorativo. Envolvia apenas a força física. A dignidade do homem consistia em participar dos negócios da cidade por meio da palavra. Os escravos faziam o trabalho duro, enquanto os outros poderiam ser livres. O trabalho não tinha o significado de realização pessoal. As necessidades da vida tinham características servis, sendo que os escravos é que deveriam desempenhá-las, ficando as atividades mais nobres destinadas às outras pessoas, como a política. A ideologia do trabalho manual como atividade indigna do homem livre foi imposta pelos conquistadores dóricos (que pertenciam à aristocracia guerreira) aos aqueus”. (MARTINS, 2004, p. 38).  

Moisés registrou no livro de Genesis as seguintes palavras de Deus: “E a disse a Adão: Porquanto deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei dizendo: Não comerás dela; maldita é a terra por tua causa; em fadiga comerás dela todos os dias da tua vida. 18: Ela te produzirá espinhos e abrolhos; e comerás das ervas do campo. 19: Do suor do teu rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, porque dela foste tomado; porquanto és pó, e ao pó tornarás...” Genesis 3: 17 – 19. (PAULINAS, 1963, p. 22).

Posteriormente, o filósofo Immanuel Kant registrou que “O homem é o único animal que precisa trabalhar”.  Lembrando que a palavra trabalho, citada na Bíblia e nos filósofos vem do latim “tripalium”, espécie de instrumento de tortura de três paus ou uma canga que pesava sobre os animais.

Nesta esteira do “tripalium”, a nova reforma trabalhista faz com que os “Acordos coletivos prevalecem sobre a legislação”. Espinha dorsal da reforma, cria a figura dos acordos coletivos negociados entre trabalhadores e empresas, cujas decisões acordadas prevaleçam sobre as previsões da CLT. Esses acordos chegam a contemplar um total de 40 questões cruciais tais como jornadas maiores de trabalho, de até 12 horas diárias, desde que elas não somem mais de 220 horas mensais (contando as horas extras). Hoje o limite é 44 horas semanais, com no máximo 8 horas de trabalho por dia. Seria de bom aviltre lembrar que nestes acordos, via de fato, há maior  possibilidade das decisões tomadas pelo empregado de sofrer a interferência do empregador.  

Aqui também deve se permitir uma lembrança nefasta, das votações na Câmara Federal com participação ativa da maioria da “Bancada da Bíblia”, a aprovação da Lei da Terceirização, quiçá a maior beneficiaria da nova Reforma Trabalhista proposta por Temer.  

 Uma vez pensado o trabalho como filosofia e doutorado, em que pese a etimologia da palavra “trabalho – tripalium”; reportaremos à algumas assertivas bíblicas e posturas históricas que jugamos condicentes com o pensamento cristão.

Com o Tratado de Versalhes (1919), em que foi positivado e criada a Organização Internacional do Trabalho (OIT) as conquistas dos trabalhadores, homens comuns, foram se ampliando e ganhando jurisprudência, sobretudo em função da ética e da moral que permeiam os sentimentos humanísticos e cristãos.

Nesta esteira a convenção 29 da OIT de 1930, define o trabalho escravo “como  todo trabalho forçado ou exigido de uma pessoa sob a ameaça de sanção e para o qual não se tenha oferecido espontaneamente”. O Código Penal Brasileiro no seu Art.149 define da seguinte maneira o trabalho escravo: “Art. 149: Reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva... (Redação dada pela Lei nº 10.803, de 11.12.2003)”.

Em voltando à Bíblia, poderíamos citar pelo menos uns cem versículos alusivos à proteção do homem que trabalha, entre eles, Deuteronômio (cap. 24, vers. 14 e 15), onde se lê: “Não negarás a paga do indigente e do pobre, quer ele seja teu irmão, quer um estrangeiro... , mas pagar-lhe-ás no mesmo dia o preço do seu trabalho antes do sol posto, porque é pobre e com isso sustenta a sua vida; a fim de que ele não clame contra ti ao Senhor e (isto) te seja imputado a pecado”. No Novo Testamento, na Epístola de Tiago (cap. 5, vers. 4), o apóstolo adverte os maus patrões: “Eis que o salário dos trabalhadores, que ceifaram os vossos campos, o qual foi defraudado por vós, clama, e o clamor deles subiu até aos ouvidos do Senhor dos exércitos”.  No livro de Lucas é atribuída a Jesus esta afirmação: “Digno é o trabalhador do seu salário.(Lucas 10:7).

Na teoria econômica do capitalismo clássico, que tem em Adam Smith seu mais destacado doutrinador, o trabalho é tido como padrão universal dos valores de troca. Em contra ponto “O trabalhador torna-se tanto mais pobre quanto mais riqueza produz, quanto mais a sua produção aumenta em poder e extensão”. Na teoria marxista, “O trabalhador torna-se uma mercadoria tanto mais barata, quanto maior número de bens produz. Com a valorização do mundo das coisas, aumenta em proporção direta a desvalorização do mundo dos homens”. (MARX, 2001)

Voltando à “Bancada da Bíblia”, alguns (Jair Bolsonaro e Marcos Feliciano, entre eles) se absteram de votar (vale lembrar que abstenção é um voto que conta a favor sem que você tenha que declarar seu voto. É uma maneira de ficar em cima do muro pra não perder voto), mas foram contados como quórum para dar legalidade à sessão.

Como disse Lacordaire, “entre o forte e o fraco, entre o rico e o pobre, é a liberdade que escraviza, é a lei que liberta”.  Graças aos sofismas e habilidades humanas vale lembrar que liberdade e lei sob a ótica do homem podem ser totalmente volúveis e mutáveis, porém o nosso Deus é IMUTÁVEL e ETERNO assim como também os são sua LIBERDADE e sua LEI.

CITAÇÕES:

- MARTINS, S. P. Direito do Trabalho. 20 ed., São Paulo: Atlas, 2004)

- MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos.Tradução de Alex Marins. São Paulo: Martin Claret, 2001.(A obra prima de cada autor).

- BÍBLIA SAGRADA. Edições Paulinas, 1963.16 ed., São Paulo.

 

Manoel de Jesus é teólogo e administrador.

vídeo
galeria
0
mais notícias
Nenhum comentário foi publicado.
Escreva seu comentário abaixo.
  • João Oliveira, há 9 horas atrás
    Quisque purus libero, sagittis sit amet posuere a, hendrerit scelerisque odio. Nam tincidunt, dolor nec vehicula imperdiet, ligula massa pharetra turpis, in mattis est lacus nec felis. Nam cursus libero nec odio semper eu tincidunt mauris ullamcorper. Donec porttitor mi eu libero bibendum iaculis. Ut tempor est vel nibh suscipit in sodales risus placerat. Responder
    João Oliveira, há 9 horas atrás
    Quisque purus libero, sagittis sit amet posuere a, hendrerit scelerisque odio. Nam tincidunt, dolor nec vehicula imperdiet, ligula massa pharetra turpis, in mattis est lacus nec felis. Nam cursus libero nec odio semper eu tincidunt mauris ullamcorper. Donec porttitor mi eu libero bibendum iaculis. Ut tempor est vel nibh suscipit in sodales risus placerat. Responder
COMENTÁRIOS (0)
Próximo » « Anterior
Próximo » « Anterior
Adicionar comentário
  • Seu nome
  • Seu e-mail
  • Website
Incorreto. Por favor, tente novamente.
Digite o código acima: Digite os números que você ouve:
  • Seu comentário
Escrever comentário
- Desculpe, ocorreu um erro inesperado.
Recemos seu comentário por aqui.
Obrigado por participar :D
2012 © mt fatos - Todos os direitos reservados.
Avenida Coroados, 433 - Centro - Jaciara/MT - 78820-000
contato@mtfatos.com.br - (66) 3461-1849
Desenvolvido por artedinâmica
2012 © mt fatos